Alice in Wonderland

Atualizado: 10 de abr. de 2021


Alice no País das Maravilhas tomando chá
Alice in Wonderland

*** VERSÃO EM PORTUGUÊS ABAIXO ***


Hello guys!


I have recently started a new project online in order to encourage students to read in English. The project is called Rachel's Book Club and you can find out more about it in my Telegram group and on my Youtube Channel. One of the great things about reading is trying to understand the message behind the story. In today's post we are going to learn about some of the supposed messages behind a very famous British novel - "Alice in Wonderland" written by Lewis Carroll. I’m sure you have seen some version of this famous story; either through the original book or by the various film adaptations, but did you know that this story considered rather “strange” also has a political side? Let's take a look at this little-known side of Alice!


Alice in Wonderland, was a book written in 1865 by the English author Lewis Carroll. At first glance, the story may seem meaningless, just a fantasy fable full of comical, strange and eccentric characters, but it is believed that through these same characters Lewis Carroll managed to create a humorous critique of the British monarchy and politics of the time. So, while at first glance the book seems to be a story aimed just at children, subtle messages underlying the story can be picked up by an adult audience.


I’m sure you remember that during Alice's adventures in Wonderland, she eventually meets the Queen of Hearts. This is a very simple and very clear metaphor: It is assumed that when writing the character, the Queen of Hearts, Lewis Carroll was making a direct criticism of Queen Victoria, the ruler of England at the time. And of course, Wonderland represents England. In fact, the metaphors do not stop there: it is believed that Lewis Carroll was commenting on the aristocracy of the time with the other characters who made up the court too. The scene in which Alice is judged by the Queen herself, with no right to defend herself, illustrates the harsh criticism that Lewis Carroll created about the monarchy.


It is also believed that Alice's story could be a metaphor for colonialism. The book was written in 1865, a time when England controlled large parts of the world. Alice often does not understand the behaviour of the residents of Wonderland, claiming that their traditions and ways of life are strange, or even meaningless. We could interpret Alice's approach to that of an outsider, who observes the culture of a people without understanding it and condemning it, like an imperialist.


Many believe that Lewis Carroll continued to create metaphors through his other books such as “Alice Through the Looking Glass”. In the book there is a war between two queens on a chess board; the White Queen and the Red Queen. The War of the Roses took place during the 15th century, between the houses of York and Lancaster by the throne. It is possible that in describing the war between the two chess pieces, Carroll was mentioning this conflict that happened during the history of England.


Duas peças de Xadrez no tabuleiro
War of the Roses

It is important to remember that these metaphors were never confirmed by the author of the books.


Alice's journey through a fantasy world also made the work a psychedelic icon during the 60s and 70s. The story even won a song by Jefferson Airplane, called the White Rabbit.

Whatever your favourite interpretation of the classic Alice in Wonderland, we have to agree that the work has become one of the great literary icons in history, creating endless adaptations and attracting avid readers to this day.


Have you ever read a book by Lewis Carroll or watched one of the film adaptations?

Do you like to read in English? Do you know any other interpretation of the work?

Comment below!


Happy Reading!

Rachel



 


Alice no País das Maravilhas


Hello everybody! Recentemente, comecei um novo projeto online para incentivar vocês a ler em inglês. O projeto se chama Rachel 's Book Club e você pode saber mais sobre ele no meu grupo de Telegram e no meu canal no Youtube, ok?! E como muitos dos meus seguidores adoram o tópico de leitura, hoje irei falar um pouco sobre uma das minhas histórias favoritas da literatura britânica!


Em primeiro lugar, uma das melhores coisas que considero importante sobre a leitura é tentar entender a mensagem por trás de cada história. No post de hoje vamos aprender sobre algumas das supostas mensagens por trás de um clássico britânico muito famoso - "Alice no País das Maravilhas", escrito por Lewis Carroll. Certamente você já deve ter tido contato com alguma versão dessa história tão famosa; seja pelo livro original ou pelas várias adaptações para o cinema, mas você sabia que a narrativa, considerada tão “aleatória” também tem um lado de crítica política? Vamos dar uma olhada nesse lado pouco conhecido de Alice!


Alice no País das Maravilhas ou Alice in Wonderland no idioma original, foi um livro escrito em 1865 pelo autor inglês Lewis Carroll. À primeira vista, a história pode parecer sem sentido, apenas uma fábula de fantasia repleta de personagens cômicos, estranhos e excêntricos, mas acredita-se que através desses mesmos personagens Lewis Carroll conseguiu criar uma crítica bem-humorada à monarquia e à política britânica da época. Então, enquanto a primeira vista o livro seria só uma história direcionada às crianças, seus comentários sutis poderiam ser captados pelos mais velhos.


Você também deve se lembrar que durante as aventuras de Alice no País das Maravilhas, ela eventualmente se encontra com a Rainha de Copas. Esta é uma alegoria bem simples e bem clara: Supõe-se que ao escrever a personagem da Rainha de Copas Lewis Carroll estava fazendo uma crítica direta a Rainha Vitória, governante da Inglaterra na época. E é claro, o País das Maravilhas representa a Inglaterra na história. De fato, as alegorias não param por aí: acredita-se que o autor usou da fantasia para tecer um comentário sobre a aristocracia da época, não só com a Rainha de Copas, mas com os outros personagens que compunham a corte do país fantasioso do livro. A cena em que Alice é julgada pela própria Rainha, sem direito de se defender, ilustra a dura crítica que Lewis Carroll criou sobre a monarquia.


Mulher segurando carta Rainha de Copas
Rainha de Copas

Acredita-se também que a história de Alice poderia ser uma metáfora para o colonialismo. O livro foi escrito em 1865, época em que a Inglaterra controlava grandes porções de territórios. Alice muitas vezes não compreende o comportamento dos moradores do País das Maravilhas, alegando que suas tradições e modos de vida são estranhos, ou até sem sentido. Poderíamos interpretar a abordagem de Alice a de uma pessoa de fora, que observa a cultura de um povo sem entendê-la e condenando-a, como um imperialista.


Ainda sobre alegorias políticas, muitos acreditam que Lewis Carroll criou uma metáfora para a Guerra das Rosas em seu outro livro “Alice através do espelho”. No livro há uma guerra entre duas rainhas de um tabuleiro de xadrez; a Rainha Branca e a Rainha Vermelha. A Guerra das Rosas aconteceu durante o século 15, entre as casas de York e Lancaster pelo trono. É possível que ao descrever a guerra entre as duas peças de xadrez, Carroll estivesse mencionando esse conflito que aconteceu durante a história da Inglaterra.


É importante lembrar que estas alegorias e metáforas nunca foram confirmadas pelo autor dos livros.


O aspecto fantasioso de Alice também fez com que a obra se tornasse um ícone psicodélico durante os anos 60/70. A história inclusive ganhou uma música por Jefferson Airplane, chamada de White Rabbit. Seja qual for sua interpretação favorita do clássico Alice no País das Maravilhas, temos que concordar que a obra se tornou um dos grandes ícones literários da história, rendendo adaptações e leitores ávidos até hoje.


E você conhece a história da Alice? Você gostaria de ler essa ou alguma outra história comigo em inglês? Comente abaixo!

Thank you for reading!


See you next time!

Rachel


298 visualizações4 comentários

Posts recentes

Ver tudo